A tragédia que o mundo jamais esquecerá

Hiroshima e Nagasaki desapareceram sob um cogumelo mortal de fumaça que deixou um rastro de morte e devastação. O mundo quedou-se perplexo diante da audácia americana / Arquivo GB Imagem

No dia 08 de maio de 1945, o Almirante Dönitz, nomeado pelo próprio Adolf Hitler seu sucessor, anunciou pelo rádio a rendição da Alemanha. Hitler havia cometido suicídio oito dias antes e nada mais havia a ser feito. Era o final de um dos maiores conflitos armados da história mundial. Ou melhor, era quase o fim.

A Segunda Guerra Mundial terminava, mas somente no continente europeu. No Pacífico, o Japão ainda resistia às investidas norte-americanas. Naquele mesmo mês, os líderes aliados reunidos na Conferência de Potsdan haviam exigido a rendição incondicional do império japonês. Tal imposição teria causado uma divisão no próprio governo japonês; enquanto uma ala aceitava a rendição, os militares teimavam em continuar na luta.

Naquela manhã de 06 de agosto de 1945, os tripulantes do avião “Enola Gay” só conseguiam dizer “Meu Deus, o que fizemos”, depois de presenciarem a cidade de Hiroshima, no Japão, desaparecer em baixo de uma nuvem em forma de cogumelo. Era o efeito do lançamento da primeira bomba atômica americana que saiu de um avião B-29 batizado pelo seu comandante com o nome de Enola Gay, em homenagem à sua própria mãe. No dia 09, outra bomba igual seria lançada sobre a cidade de Nagasaki. Os pilotos norte-americanos haviam sido treinados durante meses para uma missão especial, a bordo de uma esquadrilha de aviões B-29. No entanto, quase ninguém sabia o que estes aviões realmente transportavam.

Morreram cerca de 100 mil pessoas em Hiroshima e 80 mil em Nagasaki. As vítimas eram civis, cidadãos comuns, já que nenhuma das duas cidades era alvo militar muito importante. O cenário histórico dessa tragédia que permanece até hoje na memória de milhares de japoneses era a guerra no Pacífico, entre Japão e Estados Unidos.

As bombas de Hiroshima e Nagasaki marcam o início do contexto conhecido como “guerra fria”, a disputa político-ideológica e militar que bi polarizou o mundo entre o socialismo soviético e o capitalismo norte-americano por mais de 40 anos, até a desintegração da URSS, a reunificação da Alemanha e mais simbolicamente a queda do muro de Berlim em novembro de 1989.

Na contabilização geral dos efeitos das duas bombas, o Japão teve mais de um milhão e oitocentas mil vítimas, além de 40% das cidades arrasadas e a economia totalmente destruída; foi desmilitarizado e ocupado pelos Estados Unidos até 1951, quando as Nações Unidas (exceto a URSS e China), concluíram com ele, o Tratado de São Francisco, devolvendo sua soberania e marcando sua reconstrução integrada ao capitalismo internacional.

Confira também

Atleta de Rio das Ostras vai disputar Campeonato Panamericano de Kickboxing

Essa é a trajetória da atleta riostrense multicampeã de Kickboxing, Suellen Carolina Lima Bitencourt da …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *