AINDA FALTA DOADORES DE SANGUE

Infelizmente, as estatísticas mostram que menos de 2% dos brasileiros doam sangue anualmente, quando o número recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) é de 3% a 5% da população. Com a falta de sangue e derivados, hospitais e bancos de sangue não conseguem atender à demanda. Não são só pessoas acidentadas ou que sofrem cirurgias que precisam de transfusões, mas centenas de doentes, como aqueles vítimas de queimaduras, hemofílicos e anêmicos, também necessitam com regularidade.

Doar sangue não vicia, não “engrossa” o sangue, nem contamina o doador, como apregoam alguns ditos populares equivocados. O processo, que segue normas da Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa), é seguro e não causa nenhum dano à saúde.

O sangue é indispensável à sobrevivência. Responsável pela distribuição de oxigênio e substâncias nutritivas em todo o organismo, ele é produzido na medula óssea dos ossos chatos, vértebras, costelas, quadril, crânio e esterno. Nas crianças, também os ossos longos, como o fêmur, produzem sangue.

Composto por plasma (constituído por água, proteínas e sais), hemácias (glóbulos vermelhos), leucócitos (glóbulos brancos) e plaquetas (células responsáveis pela coagulação), o sangue é um tecido viscoso e vermelho.

Uma pessoa adulta tem, em média, cinco litros de sangue no corpo. São quatro os grupos sanguíneos encontrados entre as pessoas: os tipos A, B, O e AB, que também são classificados conforme o fator Rh – positivo ou negativo.

A maior frequência entre os brasileiros é o grupo O, seguida do tipo A, do B e por último o AB. Um indivíduo com tipo de sangue O negativo é chamado de doador universal porque pode doar para qualquer pessoa. Já o indivíduo com tipo AB positivo é chamado de receptor universal porque pode receber de qualquer doador.

A cada doação, o máximo de sangue retirado é de 450 ml e o mínimo de 300 ml. O homem pode doar a cada 2 meses e a mulher de três em três meses. Para doar, procure o hemocentro ou o hospital de sua cidade.

Antes da coleta, serão aferidos pressão arterial, temperatura, pulso, altura e peso do candidato. Além disso, o voluntário deve responder a um questionário sobre seu histórico de saúde. Após a coleta, o doador deve permanecer no local por mais 15 minutos, ingerir líquidos, não fazer exercícios físicos nem ingerir bebidas com álcool. Uma doação pode ajudar de duas a quatro pessoas. Amostras do sangue colhido são encaminhadas para exames que detectem infecções e doenças como sífilis, hepatite B e C, Chagas, HTLV I e II. Todos os resultados são encaminhados ao doador.

Condições para doar: gozar de boa saúde; não estar tomando medicamentos nos dias anteriores à doação; ter entre 18 e 65 anos de idade; pesar acima de 50 quilos, descontando o vestiário; ter dormido pelo menos seis horas na noite anterior à doação; não ter ingerido bebida alcoólica nas últimas 24 horas; não estar em jejum.

Quem não pode doar: portadores de doenças infecto contagiosas como chagas, malária, hepatite e Aids ou doenças sexualmente transmissíveis; parceiros sexuais de pessoas infectadas pelo HIV; pessoas que fazem uso de drogas injetáveis; mulher grávida, amamentando ou que teve aborto nos últimos três meses. 

Doar sangue salva vidas. Informe-se no hemocentro ou no posto de saúde de sua cidade.

Confira também

PRF prende quatro suspeitos de tráfico de drogas em Nova Iguaçu

Quatro homens foram presos pela Polícia Rodoviária Federal (PRF), suspeitos de tráfico de entorpecentes. Eles …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *