Briga de parques de diversão pode virar CPI em Araruama

A Câmara Municipal de Araruama deverá instalar ainda este mês CPI para apurar se houve ilegalidade na concessão de alvará de funcionamento a um parque de diversões.

O parque em questão é o Play City. Segundo denúncias de Robson Fidalgo, dono do Play Kids, seu parque, e não o concorrente, é que deveria estar instalado no terreno da Rua República da Argentina no Centro.

Robson conta que desde 2008 opera no município, cumprindo todo o trâmite burocrático para obter alvará de funcionamento. Em março deste ano, teve alvará de instalação liberado pela Secretaria Municipal de Fazenda. O Play Kids, assim funcionaria de novembro a março de 2019.

Tudo corria dentro da normalidade até, que para surpresa de Robson, soube, em 31 de outubro, que o alvará fora indeferido. Pior: sem nenhuma motivação que justificasse a negativa.

Depois de muita insistência, foi comunicado pela secretária de Fazenda Micheli Costa, via whatzapp, que o alvará fora negado porque o Play City havia solicitado pedido de instalação anterior ao pedido solicitado por ele.

Mas a julgar pela documentação apresentada por Robson, isso não procede. A autorização dada ao concorrente é de 31 de outubro, mais de seis meses depois de ele ter protocolado o pedido de alvará. E o que é pior: o documento do Play City apresenta rasuras.

Robson tentou apelar para a prefeita. Nada conseguiu. No dia 29 de novembro, caminhões com equipamentos de sua empresa foram impedidos de adentrar no terreno, que não é do município e sim da Fundação de Apoio a Escola (FATEC), por guardas municipais.

A forma truculenta e autoritária revoltou o empresário que apelou para que a Câmara de Vereadores investigasse o favorecimento do Play City e da participação, segundo ele, suspeita dos agentes públicos municipais. Ao mesmo tempo, ele acionou a justiça contra o Município.

De acordo com a vereadora Penha Bernardes (MDB) há fortes indícios de irregularidades. Já seu colega de partido, Marcio Oliveira, vai mais longe. Ele suspeita de que há participação de vereadores no imbróglio. “Se houver vereador envolvido vou denunciar” , finalizou.

Confira também

Justiça nega Habeas Corpus e mantém ex-prefeito de Casimiro na cadeia

As pretensões de Antônio Marcos Lemos Machados de passar o Natal em liberdade se desfizeram …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *