Ex-prefeitos de Guapimirim são presos acusados de desviar R$80 milhões

Os ex-prefeitos de Guapimirin Renato Costa Mello Júnior (Júnior do Posto) e Marcos Aurélio Dias (Reprodução/TV Globo)

Ex-prefeitos de Guapimirim, e um oficial da política militar, a cunhada e a sogra dele foram presos nesta quinta-feira 31 em ação coordenada pelo Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, por meio do Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (Gaeec).

O grupo é acusado de associação criminosa para cometer fraudes licitatórias e desvios de verbas públicas. Eles podem ter desviado cerca de R$80 milhões de reais dos cofres públicos.

De acordo com as investigações, os ex-prefeitos de Guapimirin Renato Costa Mello Júnior (Júnior do Posto) e Marcos Aurélio Dias contrataram, durante suas gestões, a Organização não Governamental (ONG) Casa Espírita Tesloo, por meio de licitações fraudulentas e direcionadas.

O acordo seria para fornecimento de mão de obra terceirizada para a prefeitura, incluindo prestação de serviços relacionados à atividade-fim, sem prévio concurso público, em desacordo com o que determina a lei.

Na gestão do ex-prefeito Júnior do Posto, a ONG venceu licitação no valor de R$ 17,8 milhões. Na gestão do ex-prefeito Marcos Aurélio, os valores subiram para R$ 66,5 milhões. O promotor de Justiça do Gaecc Eduardo Fonseca disse que não foram encontradas comprovações de que os funcionários prestavam os serviços para a ONG ou que trabalhavam para a prefeitura.

“A ONG Tesloo não tem a menor capacidade de prestar esse serviço. Possuía apenas 15 funcionários registrados, mas foi contratada pelo Poder Público municipal para prestar um serviço de terceirização de mão de obra na faixa de 1,2 mil funcionários”, disse. “Esses 1,2 mil funcionários já eram servidores contratados pelo município, e a organização recontratou essas pessoas apenas para receber o dinheiro”.

A Casa Espírita Tesloo, que teve o nome alterado para Obra Social João Batista, é de responsabilidade do oficial da PM Sérgio Pereira de Magalhães Júnior e tem como administradora a cunhada do PM, Luanda Fernanda Fonseca da Silva. A sogra de Magalhães, Maria de Fátima Fonseca da Silva, responde pelo cargo de presidente da entidade.

“Os funcionários recebiam cerca de um salário mínimo por mês, aproximadamente R$ 724 na época, mas, pelo pregão, deveriam ter recebido cerca de R$ 3 mil. Também há evidências de que havia funcionários fantasma”, informou o promotor. “Os valores depositados pela prefeitura eram sacados em espécie, em agência bancária dentro da Central de Abastecimento do Estado do Rio de Janeiro (Ceasa), em Irajá.”

Entre 2012 e 2015, o ex-prefeito Marco Aurélio desobedeceu decisão judicial de parar de efetuar os pagamentos aos funcionários. Ao todo, 23 pessoas estão sendo investigadas, sendo 16 servidores e ex-servidores da prefeitura de Guapimirim.

Também foram cumpridos 12 mandados de busca e apreensão. Na casa do Júnior do Posto, avaliada em R$ 7 milhões, foram apreendidos R$ 40 mil, US$ 1 mil em espécie, uma BMW, avaliada em R$ 200 mil, documentações de lotes de terrenos em Guapimirim, entre outros documentos.

 

Leia Também

Feira de beleza mostra as últimas novidades do setor em Rio das Ostras

Com um faturamento que pode chegar a R$ 127 bilhões até o fim do ano …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *