Juíza nega pedido de prisão preventiva para deputado estadual por Silva Jardim

Wanderson Gimenes é acusado de fraudar licitação para favorecer empresas

A juíza da comarca de Silva Jardim, Daniela Corrêa, negou pedido de prisão preventiva do MP contra o deputado estadual Wanderson Gimenes e outras três pessoas, supostamente envolvidos em esquema de fraudes em licitação ocorrida em 2013, quando Wanderson era prefeito do município.

O Ministério Público pediu também a prisão Viviany Guimarães de Fonseca Alexandre – mulher de Wanderson – Glauco Moraes Azevedo e Sandra Trugilho, o que também foi negada.

Outras dez pessoas também foram arroladas na denúncia do MP e que virou Ação Penal Pública: Mansuel Pires Xavier, Tiago de Souza Gomes, Glauco Moraes Azevedo, Miguel Ângelo Montenegro, Vanda Eunice Montenegro, Alexandre dos Santos Peixoto, Denise Bueno Peixoto, Claudia Celeste Meireles da Silva e Valtélio Duarte Barbosa.

As investigações promovidas pelo MP se iniciaram em 2013. Os acusados teriam feito “prévio ajuste para frustrar o Pregão 01/2013 com o fito de favorecer as empresas Terra Nova Produções e Eventos LTDA, Atha Comércios e Serviços LTDA ME e CRV Comércio e Serviços LTDA EPP”. Os contratos firmados chegaram a R$ 270 mil.

Todos os acusados foram proibidos de deixar Silva Jardim por mais de dez dias sem ordem judicial, assim como alterar seu endereço residencial. Também estão impedidos de frequentar a Prefeitura para evitar contato com testemunhas. Além disso, não podem fazer qualquer tipo de contratos com o Município.

Wanderson, Viviany, Glauco e Sheila foram condenados a pagar fiança de dez salários mínimos em 48 horas, sob pena de prisão em caso de descumprimento. Todos também tiveram suspensão da função pública e da atividade econômica.

Na época dos fatos, Viviany era Chefe da Casa Civil, Mansuel (secretário de Turismo), Tiago (diretor municipal de Turismo), Glauco (presidente da comissão de licitação e pregoeiro) e Sheila (procuradora municipal). Segundo a denúncia, eles se associaram a Miguel e Vanda – donos da Tendas e Companhia RJ LTDA; Claudia – proprietária da Atha Comércio-, e Valtélio – proprietário da empresário CRV.

Confira também

Pesquisadores estudam lesão pulmonar causada por cigarro eletrônico

Pesquisadores nos Estados Unidos afirmam que danos nos pulmões de pessoas que sofrem de uma …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *