Licitações sob suspeita em Tanguá

Acesso aos Editais de licitações estaria restrito às empresas “amigas”

Walber Marcelo ainda não aprendeu que as contas públicas têm de ser realmente públicas, que os contratos e processos licitatórios têm de ser transparentes

Walber ainda não aprendeu que as contas públicas têm de ser realmente públicas, que os contratos e processos licitatórios têm de ser transparentes

Todos os processos licitatórios e contratos para prestação de serviços e fornecimento de merenda, uniformes, material escolar e medicamentos firmados pela Prefeitura de Tanguá no ano passado, o primeiro da gestão do prefeito Walber Luiz Marcelo de Carvalho (PTB) foram colocados sob suspeita essa semana com a denúncia de que as empresas interessadas em participar dos pregões, tomadas de preço e concorrência estariam sendo prejudicadas pela falta de informação, uma vez que não estariam tendo acesso aos editais, cujas publicações não estariam circulando como determina a lei, com o veiculo oficial não sendo encontrado dentro da periodicidade nem mesmo na Prefeitura.

De acordo com as queixas dos interessados, o site oficial do município está fora do ar e a administração municipal não veicula informações nos portais de transparência e nem mesmo o órgão impresso oficial está sendo encontrado com facilidade, inclusive nos próprios órgãos da municipalidade. Reclamam que a contabilidade da Prefeitura na gestão atual parece trancada numa espécie de caixa-preta e ninguém sabe onde, em que e como os recursos financeiros vêm sendo gastos.

De acordo com o Portal da Transparência do governo federal 2013 foi o ano que o município de Tanguá mais recebeu recursos da União, um repasse total de cerca de R$ 35 milhões, mas o problema é saber onde esse dinheiro foi parar, já que não existe publicidade dos contratos firmados pela Prefeitura. Na próxima semana o Ministério Público deverá receber uma representação com várias informações e a solicitação que seja aberto um procedimento investigativo para se saber como a administração vem aplicando o dinheiro público.

Os setores que mais recursos federais recebem são a Saúde e a Educação, mas também existem verbas específicas para a Assistência Social e repasses de convênios. Nos dois últimos meses de 2013 os repasses foram de cerca de R$ 7 milhões e nos dez meses anteriores as entradas somaram exatamente R$ 27.402,966,51. Foram R$ 2.143.892,85 em janeiro, R$ 3.166.264,07 em fevereiro, R$ 2.463.679,57 em março, R$ 2.644.892,83 em abril, R$ 2.725.670,12 em maio, R$ 2.540.227,84 em junho, R$ 2.294.125,03 em julho, R$ 2.653.131,85 em agosto, R$ 3.053.271,50 em setembro e R$ 3.717.810,85 em outubro.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos Obrigatórios são marcados com *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>