“Madona de Cedro” fez sucesso em 1994, na tela da Globo

Delfino pagou um preço muito alto para ter uma situação financeira confortável. O personagem interpretado por Eduardo Moscovis só queria dar uma vida boa ao seu grande amor, Marta (Andréa Beltrão) / Arquivo GB Imagem

 Amor, fé, marginalidade e culpa. Estes foram os ingredientes principais que fizeram de “Madona de Cedro” uma das mais belas histórias mostradas pela Globo. Baseada na obra de Antonio Callado, a trama da minissérie girou em torno de Delfino (Eduardo Moscovis), um rapaz que cresceu no interior de Minas Gerais e que resolve tentar a vida na cidade do Rio de Janeiro. Quando chega à Cidade Maravilhosa, Delfino fica encantado com tudo e logo de cara se apaixona por Marta (Andréa Beltrão) sendo prontamente correspondido.

Mas, com tanto amor em jogo, surge à dificuldade financeira: como dar a Marta tudo o que ela merece? Delfino acaba se envolvendo com o bando de Vilanova (Carlos Vereza) e Maneco (Humberto Martins). Os dois bandidos convencem o rapaz a roubar a Madona esculpida por Aleijadinho. Seduzido pela possibilidade de ganhar muito dinheiro, Delfino comete o delito, mas nunca mais consegue ter paz; em conflito por causa de sua fé, entra num processo de autodestruição e culpa.

As principais cenas foram gravadas no Estado de Minas Gerais, nas cidades de Congonhas do Campo, Mariana e Ouro Preto e uma delas marcou a exibição da minissérie; foi a da procissão que envolveu mais de quatrocentos figurantes.

Vale destacar ainda a participação de Paulo José, como o sacristão Pedro que tinha uma corcunda nas costas.

Exibida em 1994, entre os dias 26 de abril e 06 de maio, “A Madona de Cedro” tinha ainda no elenco Stênio Garcia, Yara Cortez, Isadora Ribeiro, Eloísa Mafalda, Eva Wilma, Carlos Zara, Fábio Sabag, Milton Gonçalves, Daniela Escobar, Luigi Palhares, Roberta Índio do Brasil, Andréa Richa, Henrique Taxman, entre outros nomes.

Confira também

A saga de Maria Moura

Sucesso absoluto de audiência, a minissérie também foi lançada em DVD Maria Moura era uma …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *