Ministério Público pede afastamento de deputado macaense

 Welberth Porto é denunciado por contratar servidora fantasma quando era vereador no município

O deputado estadual Welberth Porto de Resende (foto) terá que explicar à Justiça porque atestou a folha de pontos de uma funcionária “fantasma” quando era vereador em Macaé. A acusação é do Ministério Público que também acusa Walter Rui Bandeira Junior (improbidade administrativa) e Flaviane de Souza Gil Franco – improbidade e peculato.

O MP pede que o deputado reembolse o erário no valor de R$ 74.277,13 . Este montante corresponde aos dias que atestou a folha de ponto de Flaviane. Na Ação Civil Pública, proposta, também se pede a perda da função pública, suspensão dos direitos políticos por oito anos; multa de R$ 148.554,46 (equivalente ao dobro do dano causado) e proibição de contratar com o poder público pelo prazo de cinco anos.

Fantasma – Admitida por concurso público pela Prefeitura de Macaé em 2011, Flaviane foi designada para exercer função de confiança na Fundação de Esporte de Macaé (Fesportur) entre janeiro e fevereiro de 2013. Nesse órgão, sua presença foi “abonada” pelo servidor responsável pelo departamento de recursos humanos (RH), Walter Rui Bandeira Junior. Em março daquele ano, a servidora foi cedida para trabalhar no gabinete de Welberth, que semelhante a Walter, atestou a presença de Flaviane durante o período de 2013 até abril de 2016. Em ambos os cargos, comprovou-se, de acordo com o MP, que Flaviane jamais trabalhou.

Por conta desse ilícito, o MP pede que a servidora devolva o que recebeu indevidamente no montante de R$ 100.810,97. Por causa do enriquecimento ilícito, também foi requerida a perda da função pública, suspensão dos direitos políticos pelo prazo de 10 anos; multa no valor de R$ 302.432,91 – o triplo do valor acrescido e impedimento de contratar com o poder público pelo prazo de dez anos.

A caneta do MP foi mais branda para Walter Rui Bandeira. Alem do ressarcimento integral ao erário – R$ 20.408,23 – no período que atestou a “presença” de Flaviane, também foi requerida a perda da função pública. O MP também requer a suspensão de seus direitos políticos – oito anos -; multa de R$ 40.816,46, que corresponde ao dobro do dano e impedimento de contratar com o poder público pelo prazo de cinco anos.

Confira também

Pesquisadores estudam lesão pulmonar causada por cigarro eletrônico

Pesquisadores nos Estados Unidos afirmam que danos nos pulmões de pessoas que sofrem de uma …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *