MP quer que Macaé apoie crianças sobreviventes de incêndio

Sexta-feira 1 de fevereiro. Cinco crianças fogem do Centro Municipal de Apoio à Infância e à Adolescência (CEMAIA), em Macaé. Elas buscam abrigo em uma favela, onde pernoitariam. Inesperadamente, duas delas morrem em um incêndio.

O fato, ocorrido uma semana antes do incêndio que matou dez adolescentes integrantes das categorias de base do Flamengo, mereceu da 1ª Promotoria de Justiça da Infância e da Juventude de Macaé uma ação mais enérgica.

O órgão, vinculado ao Ministério Público, instaurou inquérito civil público na sexta-feira (8), horas depois da tragédia no Ninho do Urubu. O objetivo é que o Município dê apoio moral e material às três crianças sobreviventes.
 
A Promotoria já havia obtido decisões judiciais favoráveis em três ações públicas contra o município e obteve na Justiça decisões favoráveis em três ações civis públicas contra o município, exigindo a adequação no atendimento do CEMAIA, que possui três unidades com capacidade para 20 acolhidos cada uma. 
 
A última fiscalização do MP ao CEMAIA ocorreu em dezembro passado. Como resultado foi encaminhada representação administrativa à 2ª Vara da Infância e da Juventude de Macaé. Crianças foram encontradas brincando do lado de fora da instituição. Isso favoreceria a ociosidade e a fugas de menores. 
 
De acordo com as ACPs propostas, as unidades apresentam problemas recorrentes de vazamentos, infiltrações, goteiras e falta de manutenção, além de apresentarem problemas de gestão e dificuldade de implementação de projeto político pedagógico, o que gera uma rotina restritiva e ociosa para os acolhidos. As instalações também não atendem ao que estabelece o Estatuto da Criança e do Adolescente e às Orientações Técnicas para Serviços de Acolhimento publicadas pelo Conselho Nacional dos Direitos das Crianças e Adolescentes, já que não apresentam aspecto domiciliar e estão localizadas fora de uma área urbana. 
 
Em todas as ações, foi determinado pela Justiça o pagamento de multa diária ao município no valor de R$ 5.000,00 para cada ação e de R$ 500,00 ao prefeito. Devido ao descumprimento das ordens judiciais, o MPRJ aguarda vista dos autos para a execução dos valores por parte do município. Diante da falta de responsabilidade com a qualificação dos serviços de acolhimento, o MPRJ distribuirá, nos próximos dias, nova ACP para obrigar o município a planejar, orçar e executar um reordenamento de toda a política de acolhimento de Macaé.

Confira também

Durante missa, mulher empurra padre Marcelo Rossi do altar

Durante missa celebrada em Cachoeira Paulista(SP), neste domingo(14), uma mulher se desvencilhou dos seguranças, invadiu …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *