Números mostram avanço da indústria da multa em Macaé

Cerca de 80 mil autos de infração foram lavrados entre janeiro e outubro deste ano

Em janeiro deste ano 11 novos radares entraram em operação em Macaé e outros já estão sendo providenciados pela Secretaria de Mobilidade Urbana
Em janeiro deste ano 11 novos radares entraram em operação em Macaé e outros já estão sendo providenciados pela Secretaria de Mobilidade Urbana

O Tribunal de Contas do Estado autorizou o Fundo Municipal de Transporte e Trânsito de Macaé a realizar concorrência pública com o objetivo de contratar uma empresa para controlar o trânsito por excesso de velocidade, através do fornecimento, instalação e manutenção de radares fixos e lombadas eletrônicas, o que vai custar aos contribuintes R$ 2.586.960,00 no primeiro ano, podendo ser acrescido de mais 25% no segundo e a despesa já está com o pagamento garantido, pois só no período de janeiro a outubro deste ano as multas de trânsito renderam aos cofres da municipalidade cerca de R$ 3,4 milhões.

A falta de educação e a imprudência dos motoristas no trânsito prejudicam a sociedade, mas passaram a ser bom negócio para os municípios, que as combatem com multa e não com um programa de educação para o trânsito, quando ideal seria fazer as duas coisas ao mesmo tempo. A opção de multar gera receita, a outra despesa e trabalho.

“O condutor habilitado tem total noção de que está sujeito o tempo todo às regras previstas no Código de Trânsito Brasileiro. Quando descumpre, e comete algum tipo de infração, ele sabe que pode ser penalizado. A aplicação da multa é nada mais, nada menos, do que o resultado de alguma infração cometida. Eu sempre digo que uma sociedade civilizada não arrecada multas”, justifica o secretário de Mobilidade Urbana de Macaé, Evandro Esteves, que diz priorizar parte do investimento em educação no trânsito, programas que motoristas locais alegam desconhecer.

Segundo o coordenador do setor de Educação para o Trânsito de Macaé, Marcello Magalhães, a multa “é a última opção” do órgão e faz “faz parte do processo pedagógico do cidadão”, mas foram prioridade durante este ano: foram lavradas exatas 79.418 multas nos dez primeiros meses deste ano.

Além de Macaé, o município de Petrópolis também está investindo na ampliação do número de radares. Em outras cidades as providências foram mais simples, algumas até fora dos padrões: agentes de transito equipados com um instrumento eletrônico ficam espalhados pelas vias mais movimentadas, para as quais já vão com uma meta a cumprir, com a ordem de multar uma determinada quantidade de motoristas por dia.

Em Nova Iguaçu, município da Baixada Fluminense, a Prefeitura acabou e de colocar em ação mais 54 agentes de trânsito, fazendo da multa prioridade, pois não há nenhuma campanha educativa e a cidade é uma das mais mal sinalizadas da região.

Confira também

Crise? Que crise é essa, prefeito?

Macaé já arrecadou este ano mais de R$ 2 bilhões, mais que o dobro da …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *