O governo de Epitácio Pessoa

28 de julho de 1919 tomava posse o Presidente Epitácio Pessoa, que governou o Brasil até o ano de 1922 / Arquivo GB Imagem

No dia 28 de julho de 1919 tomava posse o Presidente Epitácio Lindolfo da Silva Pessoa. Nascido em Umbuzeiro, na Paraiba, em 23 de maio de 1865, governou o Brasil até o ano de 1922.  Seu governo foi marcado por revoltas militares que acabariam na Revolução de 30, a qual levou Getúlio Vargas ao poder. Epitácio Pessoa foi ainda deputado federal em duas oportunidades, Ministro da Justiça do Supremo Tribunal Federal, procurador-geral da República, senador três vezes, chefe da delegação brasileira junto à Conferência de Versalhes e juiz da então Corte Internacional de Haia.

No governo de Epitácio Pessoa os países industrializados foram forçados a concentrar esforços na indústria de armamentos. O Brasil exportou matérias-primas a preços compensadores e ampliou seu parque industrial, fabricando aqui produtos antes importados. Com o fim da guerra, a Europa reabilitou suas indústrias. Sucederam-se greves operárias;  empresariado e cafeicultores tentavam impôr suas reivindicações. Epitácio Pessoa tentou implantar uma política de poucos gastos. Contudo, vieram as pressões dos Estados. Em seu governo foi eletrificado a Estrada de Ferro Central do Brasil, com verbas vindas de um empréstimo conseguido com os Estados Unidos.

Epitácio não escapou da política dos governadores, pela qual o governo federal deveria intervir a favor dos grupos aliados em troca de apoio no Congresso. Enfrentou um dos períodos políticos mais conturbados da Primeira República, com a “Revolta do Forte de Copacabana”, a “Crise das Cartas Falsas” e a “Revolta do Clube Militar”. Seu processo sucessório transcorreu dentro de um clima altamente agitado nas Forças Armadas. Entre os tenentes e subalternos havia um clima de oposição por reformas políticas profundas. Epitácio Pessoa foi sucedido por Artur Bernardes.

Confira também

“Da Cor do Pecado” já foi exibida por três vezes na tela da Globo

A novela “Da Cor do Pecado”, do autor João Emanuel Carneiro, foi exibida na tela …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *