O primeiro imperador do Brasil

D. Pedro I foi coroado Imperador do Brasil em outubro de 1822, logo depois proclamar o País livre de Portugal. Oficialmente, foi casado com a Princesa Leopoldina e, e após ficar viúvo, se casou em 17 de outubro de 1829 com Dona Amélia de Leuchtenberg / GB Imagem

Pedro de Alcântara Francisco António João Carlos Xavier de Paula Miguel Rafael Joaquim José Gonzaga Pascoal Cipriano Serafim de Bragança e Bourbon nasceu no Palácio de Queluz, Portugal, no dia 12 de outubro de 1798. Filho de D. João VI e da Princesa Carlota Joaquina, era neto de Dona Maria I, rainha de Portugal;  quando tinha quase nove anos de idade, sua família migrou para a então colônia do Brasil, a fim de escapar da guerra com Napoleão Bonaparte. Pedro de Alcântara cresceu em terras brasileiras e tinha fama de boêmio e conquistador; consta em registros históricos que ele teve dezoito filhos, treze reconhecidos e cinco naturais. No ano de 1826, sua primeira mulher, a Princesa Leopoldina faleceu e logo foi lhe providenciado uma segunda esposa. A escolhida foi a bela Dona Amélia de Leuchtenberg, por quem o imperador teria se apaixonado à primeira vista e assim abandonado a sua vida de boêmio.

  1. Pedro I e Dona Amélia se casaram no dia 17 de outubro de 1829; ela tinha dezessete anos, e ele, trinta e um anos.

Ele reinou como imperador do Brasil durante nove anos, no entanto as exigências políticas o fizeram abdicar do trono brasileiro no ano de 1831, em favor do seu filho, Pedro, que tinha cinco anos de idade.

De volta a Portugal, travou uma guerra contra o irmão que havia usurpado o trono e restituiu à sua filha Maria da Glória o direito de se tornar rainha daquele país. No dia 27 de setembro de 1834, no mesmo Palácio de Queluz, D. Pedro morreu vitimado pela tuberculose. Atualmente, os seus restos mortais, assim como os de suas duas esposas, estão sepultados na cripta do Monumento do Ipiranga, em São Paulo.

Confira também

Época do ano boa para se exercitar

E vem chegando o Verão, tempo que traz uma animação extra a também vontade de …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *