Vai sobrar para o “marisco” em Araruama

Procurador assina certidão irregular, mas só servidora está sendo responsabilizada

A liberação de uma certidão negativa de dívida pública emitida manualmente (fora do sistema de informática) e com data falsa – em favor de uma empresa em débito com a Prefeitura de Araruama – pode custar o emprego de uma servidora de carreira, uma condenação por improbidade administrativa e, provavelmente, ela poderá responder ainda a um processo penal. O documento foi expedido no dia 2 de janeiro para a Comercial Castanho de Gêneros Alimentícios, que o usou para firmar dois contratos emergenciais com o município, no total de mais de R$ 1,6 milhão. Ocorre, entretanto, que apesar de ter sido expedido pela funcionária Dagmar Martins Vieira, o documento foi assinado pelo procurador-geral do município, José Fernando de Carvalho, que usou o carimbo de seu cargo anterior, o de diretor da Dívida Ativa, inocentado no inquérito administrativo aberto para apurar o fato.

A Prefeitura acabou contratando – por R$ 1,6 milhão – fornecedor de merenda com base em certidão com informação falsa emitida pela própria administração municipal

Conforme já havia noticiado, no dia 2 de janeiro não houve expediente para atendimento ao público na Prefeitura, o que por si só impediria a emissão do documento que favoreceu a empresa, mas há ainda o agravante de o processo através do qual a Comercial Castanho solicitou a certidão só ter sido aberto no dia 4 de janeiro, dois dias após a data de emissão. O caso foi apurado a partir de um inquérito administrativo, no qual a servidora afirmou não se lembrar da data do preenchimento da certidão e atribuiu o problema a um “erro material”. Dagmar, a única responsabilizada na apuração, disse que o documento foi emitido a mão porque o sistema de informática do setor não estaria funcionando, o que foi desmentido pelo responsável pelo sistema.

De acordo com o que foi apurado, desde janeiro de 2016 que a empresa vinha sendo beneficiada com certidões emitidas manualmente. A Comercial Castanho, que tem contratos com outros municípios, só foi pega nessa irregularidade porque tentou usar a mesma certidão para participar de um processo licitatório aberto para o fornecimento de merenda depois que os contratos emergenciais expiraram. A empresa foi desclassificada por causa do documento com a informação falsa de inexistência de débito e até recorreu à Justiça. Daí o processo no qual a certidão passou por uma avaliação, ficando constatadas as datas trocadas e a existência de débito com a municipalidade.

Com a conclusão do inquérito interno a Prefeitura impetrou uma ação de improbidade administrativa na qual figuram réus, além da funcionária, a empresa e seu dono, o empresário Carlos Guilherme Raposo Castanho. Porém, alguns servidores afirmam que é preciso que se esclareça se ao assinar a certidão o procurador o fez fora do processo e se assim foi por que não teria conferido as datas de abertura do pedido e do documento preenchido pela servidora.

Confira também

Nova Iguaçu não diz quanto paga por porteiros de maternidade

Contratos da Onix apareceram três meses depois, mas só com valor global De acordo com …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *