Justiça ouve ex-vereador acusado de matar filho de 4 anos

Por Cezar Guedes em 14/06/2022 às 11:29:08

Acusado juntamente com sua namorada na época de matar o próprio filho, o ex-vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho, foi interrogado nesta segunda-feira (13/6) na 2ª Vara Criminal da Capital. O crime ocorreu em 4 de março de 2021. A vítima, Henry Borel tinha 4 anos.

No interrogatório, Jairinho se recusou a responder perguntas do Ministério Público e do assistente de acusação. A juíza Elizabeth Machado Louro informou o réu sobre o direito de ficar em silêncio constitucionalmente garantido que ele poderia responder somente às perguntas que quisesse.

Jairinho iniciou sua fala, fazendo um retrospecto de sua vida desde a infância até os relacionamentos afetivos que teve, dos filhos e de seu namoro com Monique.

O réu questionou laudos e negou o homicídio. No depoimento, pedido pela sua defesa, Jairinho relembrou o dia da morte da criança, negou que Henry atrapalhasse seu relacionamento com Monique e disse que faz uso dos medicamentos que tomou para dormir no dia do fato há mais de 15 anos. Disse ainda que socorreu logo o menino e criticou que o caso virou "midiático".

Em relação às lesões encontradas no corpo de Henry, ele atribuiu aos procedimentos médicos realizados no hospital e negou ter praticado qualquer tipo de violência contra a criança. Jairinho também criticou o fato de o Hospital Barra D"or, onde Henry foi atendido, não ter fornecido as imagens solicitadas pela sua defesa e disse estranhar que, até o dia do velório, a morte foi tratada como acidental e, depois, foi construída a narrativa de ter ocorrido um crime.

O acusado questionou os documentos apresentados pela perícia, destacando o laudo de raio-x, que seria, segundo ele, "obscuro, negligente e omisso". A audiência foi encerrada às 18h55, por orientação da sua defesa, após o réu afirmar estar sofrendo muito, assim como sua família, e dizer que vive "um filme de terror".

Comunicar erro
Computadores na amazon
Anazon-Moda e Beleza